Brasília,
Home » Destaque » Damasco acusa a Arábia Saudita de fornecer mísseis antitanque a terroristas na Síria

Damasco acusa a Arábia Saudita de fornecer mísseis antitanque a terroristas na Síria

Publicado por: Redação Irã News
Autor:
Publicada em 10/10/2017 às 14:29
Share Button
Foto:
© AP Photo/ Hammurabi’s Justice News

O Ministério da Defesa sírio atribui à Arábia Saudita os estoques de mísseis antitanques fabricados nos EUA e que estão nas mãos de terroristas na Síria, informou a agência Sana nesta terça-feira.

“Depois que a administração do ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, levantou a proibição do fornecimento de armas, a Arábia Saudita comprou 15.000 mísseis antitanque por US$ 1 bilhão […] detectamos essas armas anti-tanques na Síria em 2014, onde foram usados pelos terroristas contra o exército sírio”, diz a nota ministerial.

De acordo com dados do departamento militar da Síria, os suprimentos para terroristas foram realizados através de vários canais com a ajuda de empresas da Europa Oriental ligadas aos serviços de segurança dos EUA ou da OTAN.

As armas, disse ele, foram entregues à Turquia ou à Arábia Saudita a partir de portos europeus ou a base aérea de Ramstein, sede das Forças Armadas dos EUA no território da Alemanha.

O ministério disse que o Daesh, a Frente al-Nusra e outros grupos terroristas receberam mísseis, rifles de assalto, metralhadoras, canhões anti-aéreos, até mesmo tanques em troca de petróleo extraído de poços capturados pelos terroristas na Síria e no Iraque.

Na segunda-feira, o chefe da Direcção de Operações do Exército Árabe Sírio, o general Ali al Ali, declarou que os fornecimentos de armas dos EUA para os rebeldes na Síria acabaram nas mãos do Daesh e da Frente al-Nusra.

De acordo com o general, os EUA enviaram aos grupos insurgentes na Síria 1.421 caminhões de armas e material de guerra entre 5 de junho e 15 de setembro.

Um funcionário do Pentágono disse à RIA Novosti que “essas declarações são absolutamente absurdas, não correspondem à realidade e representam uma campanha de propaganda da Rússia e o regime [sírio] destinada a desacreditar os EUA e a luta bem sucedida da coligação contra o Daesh na Síria”.

A Síria vive um conflito armado desde março de 2011, em que as tropas governamentais enfrentam grupos de oposição armados e organizações terroristas.

As hostilidades causaram mais de 400 mil mortes, segundo estimativas do enviado especial da ONU, Staffan de Mistura.

 Sputnik

Comments

comments

ESPORTE

COLUNISTAS

VIDEOS