Brasília,
Home » Arte e Cultura » Festival de Berlim: Filme do finlandês Kaurismaki defende refugiados

Festival de Berlim: Filme do finlandês Kaurismaki defende refugiados

Publicado por: Redação Irã News
Autor:
Publicada em 17/02/2017 às 20:57
Share Button
filme fin Foto:
Rui Martins*
O cineasta finlandês Aki Kaurismaki fez uma clara defesa dos refugiados no encontro com a crítica, chegando a elogiar a chanceler Angela Merkel, “a única política que se mostrou realmente interessada pelos refugiados”, criticando a minoria finlandesa que insiste em estigmatizar os estrangeiros e mesmo a agredi-los fisicamente.
Pouco antes, seu novo filme, “O outro lado da esperança”, tinha sido exibido para a crítica, sendo recebido com aplausos. O filme conta a história de duas pessoas diferentes, cujas vidas se cruzam num determinado momento.
A primeira é Khaled, refugiado sírio que consegue chegar à Europa, via Grécia, faz enormes caminhadas com outros refugiados, depois de a Hungria ter fechado suas fronteiras. Com a confusão gerada, acabou perdendo de vista sua irmã, que fugira com ele da Síria. Chega à Finlândia de navio, escondido no compartimento de carvão.
Vai rapidamente se apresentar à polícia para pedir o estatuto de refugiado. Entretanto, o serviço de imigração rejeita sua demanda sob o pretexto de não haver perigo e nem clima de guerra em Alepo, onde vivia. Por ironia da sorte, nesse mesmo dia o telejornal finlandês mostra Alepo sendo bombardeada com mortes de civis.
O outro personagem é um empresário finlandês deixando o ramo das confecções para homens para se dedicar ao setor de restaurantes. É quando encontra Khaled, imigrante clandestino, e o emprega no restaurante, pagando a um especialista a fabricação de um documento de residente provisório.
“Eu gostaria de poder mudar o mundo”, disse Kaurismaki para a crítica. “Mas meus filmes são contribuições muito pequenas, por isso me contento em tentar mudar os finlandeses. A participação de todos é importante porque, se tivesse sido maior nos anos 30, poderia ter evitado a Segunda Guerra”.
No ano de 1490, a região de Sevilha, na Espanha, vivia em paz até ser criada a lei para se expulsar árabes e judeus, disse Kaurismaki referindo-se à decretação da Inquisição. Até pouco tempo, havia na Europa uma posição clara em defesa dos valores humanitários, mas isso começa a desaparecer com o surgimento da intolerância”.
Kaurismari informou também ter mudado seu projeto de uma trilogia sobre os portos. “Será uma trilogia sobre os refugiados”. Diante da força das imagens do novo filme de Aki Kaurismaki, e levando-se em conta ser Berlim um Festival de preocupações políticas, “O outro lado da esperança” está entre os favoritos ao Urso de Ouro.
*Rui Martins está em Berlim, convidado pelo Festival Internacional de Cinema

Comments

comments

ESPORTE

COLUNISTAS

VIDEOS