Brasília,
Home » Recentes » Forças iemenitas respondem com mísseis o ataque aéreo dos sauditas

Forças iemenitas respondem com mísseis o ataque aéreo dos sauditas

Publicado por: Redação Irã News
Autor:
Publicada em 08/09/2017 às 08:19
Share Button
Foto:

Pars Today

As forças iemenitas atacaram com mísseis a uma concentração de mercenários sauditas na região de Najran, no sul de Arábia Saudita.

Uma fonte militar iemenita tem confirmado que a unidade de mísseis do Exército e as forças dos comitês populares do Iêmen dispararam na quarta-feira pela noite vários mísseis Katyusha contra alvos sauditas concentradas na base militar de Akefa.

Na mesma jornada, os efetivos iemenitas trocaram fogo com um grupo de milicianos sob o serviço da chamada coalizão liderado por Arábia Saudita na província central de Marib.

Durante dito confronto foram abatidos 10 mercenários em diferentes pontos da região de Sarwah, em Marib.

As ofensivas iemenitas são operações em represália ante uma série de bombardeios aéreos que tinham sido realizados por Arábia Saudita e seus aliados contra alvos civis no distrito de Heiran na província de Hajjah, localizada no oeste do Iêmen.

As autoridades das forças populares têm informado que três civis perderam a vida e outros seis ficaram feridos em consequência da agressão mencionada.

A segurança do Iêmen se deteriora, desde março de 2015, quando o regime saudita lançou uma ilegal campanha de ataques aéreos contra seu vizinho no sul do país em uma tentativa por restaurar no poder ao fugitivo ex-presidente iemenita Abdu Rabu Mansur Hadi, o seu aliado.

Apesar de que muitos especialistas consideram que a atual crise em Iêmen só poderia ser resolvida por vias políticas e não militares, Arábia Saudita segue bombardeando o povo destes pais pobre, recebendo uma resposta contundente pelas forças do movimento popular do Iêmen.

Segundo critica da ONG “Human Rights Watch” (HRW) a guerra tem causado no Iêmen a maior crise humanitária do mundo com ao menos de sete milhões de pessoas à beira da fome, centenas de milhares sofrendo da cólera e ao menos 5110 civis mortos (outras indicações se referem a um número muito maior).

Comments

comments

ESPORTE

COLUNISTAS

VIDEOS