Brasília,
Home » Destaque » Liberdade para os presos políticos palestinos nas prisões de Israel

Liberdade para os presos políticos palestinos nas prisões de Israel

Publicado por: Redação Irã News
Autor:
Publicada em 18/04/2019 às 19:13
Share Button
Foto:
Liberdade para os presos políticos palestinos nas prisões de Israel. 30823.jpeg

No dia 17 de Abril, Dia Internacional de Solidariedade com os Presos Palestinos, reclamamos a libertação imediata dos combatentes da liberdade aprisionados nas cadeias israelitas.

Israel, que desde a sua fundação recorreu a uma brutal repressão para sufocar a resistência dos palestinos, ocupou em 1967 o que restava da Palestina histórica: a Cisjordânia (incluindo Jerusalém Oriental) e a Faixa de Gaza. Desde então, as directivas militares de Israel criminalizam qualquer forma de oposição à ocupação, e os sucessivos governos israelitas fizeram da detenção um instrumento central das suas políticas de repressão dos palestinos.

O número de palestinos que passaram pelo sistema penal israelita é estarrecedor: 10 000 presos desde 2015, 850 000 desde 1967 e um milhão desde 1948. Em Fevereiro de 2019, havia nas cadeias israelitas 5440 presos políticos palestinos, incluindo 493 a cumprir sentenças de mais de 20 anos de prisão e 540 condenados a prisão perpétua.

Os menores não são poupados. Desde 2000, pelo menos 8000 menores palestinos foram detidos, interrogados e acusados pela justiça militar israelita.

A detenção administrativa, sem julgamento nem acusação, permite ao exército israelita deter uma pessoa por um período de até 6 meses, renovável indefinidamente. Neste momento estão em detenção administrativa 497 palestinos, incluindo 3 deputados.

A tortura é prática corrente. Os presos vêem dificultado o contacto com as suas famílias e são alvo de negligência médica e de frequentes humilhações e maus tratos.

Os presos políticos palestinos estão encarcerados por exercerem o direito legítimo de resistência à ilegal ocupação israelita e por lutarem pela dignidade e liberdade do seu povo, e a sua libertação é parte indissociável de uma solução da questão palestina conforme com a justiça e o direito internacional.

Ao mesmo tempo, os presos políticos palestinos são uma das manifestações mais evidentes da continuada violação dos direitos humanos dos palestinos por Israel.

Não podemos calar a nossa indignação perante a complacência com esta realidade.

A União Europeia deve pôr fim ao Acordo de Associação com Israel, que afirma que o respeito pelos direitos humanos e os princípios democráticos constituiem um elemento essencial do dito Acordo.

O governo português deve reconhecer o Estado palestino independente nas fronteiras de 1967, tendo Jerusalém Oriental por capital, com uma solução justa da questão dos refugiados, de acordo com as resoluções da ONU e com a recomendação da Assembleia da República.

A causa da libertação dos presos palestinos nas cadeias de Israel, a luta do povo palestino pela dignidade, pela terra, pela liberdade, por um Estado independente, merece e contará sempre com a nossa solidariedade.

Liberdade para os presos políticos palestinos nas cadeias de Israel!

Liberdade para a Palestina!

Organizações subscritoras:

  • Associação Abril
  • Associação Água Pública
  • Associação Intervenção Democrática – ID
  • Associação Iúri Gagárin
  • Centro Social Autogerido A Gralha
  • Colectivo COL.A.PSO (Porto)
  • Colectivo GERA – Revista Erva Rebelde
  • Colectivo Mumia Abu-Jamal
  • Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional
  • Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos MURPI
  • Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto
  • Confederação Portuguesa de Quadros Técnicos e Científicos
  • Conselho Português para a Paz e Cooperação
  • Cooperativa Mula
  • Djass – Associação de Afrodescendentes
  • Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais
  • Fiequimetal – Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas – CGTP-IN
  • Fundação José Saramago
  • GAP – Grupo Acção Palestina
  • Inter-reformados – CGTP-IN
  • Jornalismo de Causas
  • Movimento Democrático de Mulheres
  • Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente
  • Organização dos Trabalhadores Científicos
  • SOS Racismo
  • Tribunal – Iraque
  • TROCA – Plataforma por um Comércio Internacional Justo
  • Um Activismo por Dia
  • União dos Sindicatos de Setúbal – CGTP-IN

Flávio Gonçalves

Crítica Literária e Discográfica | Análise | Jornalismo Freelance | PRAVDA.ru

Literary and Discographic Reviews | Analysis | Freelance Journalist | PRAVDA.ru

Revisão, Edição, Tradução e Coordenação Editorial | Consultoria Diplomática

Proofreading, Publishing, Translation and Editorial Coordination | Diplomatic Advisor 

flaviocapelo@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/flagoncalv

Twitter: https://twitter.com/flagoncalv

Instagram: https://www.instagram.com/flagoncalv/

Portais/Websites: https://ocoletivo.blogs.sapo.pt | www,geopol.com.pt | www.libertaria.pt | http://port.pravda.ru

 

Comments

comments

ESPORTE

COLUNISTAS

VIDEOS