Brasília,
Home » Destaque » A marcha errática de Donald Trump

A marcha errática de Donald Trump

Publicado por: Redação Irã News
Autor:
Publicada em 23/07/2018 às 10:56
Share Button
Foto:
por James Petras

Jornalistas, académicos e especialistas ignoraram a complexidade do impacto do presidente Trump sobre o estado do império dos EUA.

Para avaliar adequadamente a configuração geopolítica do poder, consideraremos os avanços e reveses militares, económicos, políticos e diplomáticos do regime de Trump na América Latina, na União Europeia e na Ásia (incluindo o Médio Oriente).

Em segundo lugar, examinaremos enquadramento temporal do deslocamento da atual configuração das forças em presença.

Concluiremos discutindo como a influência e os resultados da política externa moldam o poder político no país.

Antecedentes do edifício imperial do presidente Trump 

Em primeiro lugar, devemos levar em conta o facto de que muitas em que se baseiam as políticas de Trump reflectem as políticas de seus antecessores, nomeadamente os presidentes Bush e Obama.

As guerras dos EUA no Afeganistão, Iraque, Líbia e Síria foram iniciadas pelos presidentes Clinton, Bush e Obama, os bombardeios americanos à Líbia e a destruição e desenraizamento de milhões de africanos foram inaugurados por Obama.

A expulsão de milhões de imigrantes da América Central e do México dos EUA foi uma prática comum antes de Trump.

Em suma, o presidente Trump continuou, e em alguns casos exacerbou, as políticas socioeconómicas e militares de seus antecessores. Em algumas áreas, Trump inverteu as políticas, como foi o caso do Acordo Nuclear de Obama com o Irão.

Os êxitos e fracassos das políticas do edifício imperial de Trump não podem ser atribuídos unicamente ao seu regime. No entanto, Trump deve ser responsabilizado pelo estado actual do império e sua direcção.

O presidente Trump avança na América Latina 

Donald Trump fundamentou-se e ampliou as vitórias imperiais dos EUA na maior parte da América Latina. Regimes satélite estão em vigor no Brasil graças em grande parte ao golpe judicial-legislativo que derrubou a presidente eleita Dilma Rousseff. O regime fantoche de Michel Temer privatizou a economia, abraçou o domínio de Trump e alinhou-se com os esforços para derrubar o governo da Venezuela.

Da mesma forma, Trump herdou de Obama os actuais regimes de clientes na Argentina (presidente Mauricio Macri), Peru (presidente Martin Vizcarra), Honduras (presidente Hernandez) Paraguai (presidente Cartes), Chile (presidente Piñera), Equador (presidente Moreno) e a maior parte das elites dominantes na América Central e no Caribe. Trump acrescentou a esta lista os esforços atuais para derrubar o regime de Daniel Ortega na Nicarágua

Sob Trump, Washington conseguiu reverter as relações com Cuba e o chamado acordo de paz na Colômbia entre os guerrilheiros e o regime de Juan Manuel Santos. Em julho de 2018, Trump conseguiu na Colômbia apoiar a ascensão ao poder de Ivan Duque, um protegido do partido de extrema-direita de Álvaro Uribe. A reversão no tempo de Obama dos regimes de centro-esquerda por meio de golpes de Estado foi consolidada e ampliada por Trump, com a importante excepção do México.

Trump reverteu parcialmente a abertura de relações de Obama com Cuba e ameaça invadir militarmente a Venezuela.

O império de Trump na América Latina é, na sua maior parte, herdado e amplamente apoiado…por agora.

Mas existem várias notificações cruciais.

O novo presidente do México, Andrés Manuel López Obrador (AMLO), procura seguir políticas nacionais e internacionais de forma independente e progressista, renegociando o NAFTA, contratos de petróleo e disputas fronteiriças.

Em segundo lugar, as políticas económicas neoliberais do Brasil e da Argentina estão em profunda crise e os regimes fantoches estabelecidos são economicamente instáveis, enfrentam oposição social em massa e provavelmente sofrerão derrotas eleitorais em 2018.

Em terceiro lugar, Venezuela e Cuba têm resistido com sucesso às sanções económicas e diplomáticas.

Militarmente, o presidente Trump mantém as bases militares dos EUA na Colômbia, incorporou Bogotá na NATO e assegurou operações militares na Argentina e no Equador.

O maior desafio para o império de Trump na América Latina está no importantíssimo campo económico.

Trump não conseguiu ganhar terreno no comércio, investimentos e matérias-primas em face da concorrência com a China.

Apesar da subordinação política e militar dos regimes latino-americanos a Washington, a maior parte de seus laços comerciais está com a China. Além disso, o Brasil e a Argentina aumentarão suas exportações agrícolas para a China, de acordo com as tarifas comerciais de Pequim sobre as exportações dos EUA. Na chamada guerra comercial, nem um único Estado-cliente latino-americano ficou do lado dos EUA. Pelo contrário, todos estão a aproveitar a perda de Washington do mercado da China para aumentar suas exportações.

Claramente, os EUA não exercem “hegemonia” sobre as relações comerciais da América Latina.

Pior ainda, a saída da Parceria Trans-Pacífico e as ameaças de se retirar do NAFTA reduziram a influência de Washington sobre a América Latina e a Ásia.

O alarde e as alegações de domínio de Trump sobre a América Latina são, em grande parte, produto das políticas imperiais dos seus antecessores.

No máximo, as políticas de Trump endureceram a extrema-direita, que, no entanto, está a enfraquecer política e economicamente, provocou a ascensão da esquerda ao poder no México e fortaleceu a oposição na Colômbia, Brasil e Argentina.

Em suma, o edifício imperial do regime de Trump mantém uma influência decisiva na América Latina, mas enfrenta grandes desafios – e reversões.

Trump na Ásia: um passo para a frente, dois passos para trás 

Washington ganhou prestígio pela sua abertura diplomática relativamente à Coreia do Norte, mas está perdendo a guerra comercial com a segunda maior potência económica do mundo, a China.

A China, confrontada com a guerra económica de Trump, diversificou seus parceiros comerciais, minando assim as principais empresas do agronegócio dos EUA

A China implementou tarifas sobre: soja, milho, algodão, carne de porco e carne bovina. Além disso, a China substituiu os EUA como o principal parceiro comercial em toda a Ásia.

Se bem que o Japão, a Coreia do Sul e a Austrália forneçam bases militares para os EUA, eles estão ansiosos por substituir as exportações de Washington para a China pelas suas. Além disso, a Iniciativa multimilionária da China da Rota da Seda, garantiu 68 países como parceiros, com a proeminente ausência dos Estados Unidos que se auto-excluiram.

As sanções económicas dos EUA contra o Irão não conseguiram prejudicar as exportações de petróleo do governo, enquanto as transacções bancárias e as importações de produtos manufacturados e de serviços foram substituídas pelas da China, Rússia, Índia e a maior parte da Ásia. Todos eles aumentarão seu comércio com Teerão.

No Oriente Médio e no Sul da Ásia, os EUA não podem mais contar com clientes ou aliados, excepto Israel e Arábia Saudita. Além disso, foi rejeitada pela Arábia Saudita a exigência da Trump para aumentar a produção de petróleo reduzindo os preços do petróleo para os consumidores norte-americanos.

Israel é um “fiel aliado” de Washington seguindo as suas próprias vantagens económicas e aspirações hegemónicas. Por exemplo, Israel continuou a expandir os laços com a Rússia, mesmo em violação das sanções dos EUA. O Paquistão, Mianmar e Camboja aproximaram-se da China em resultado do aumento da ajuda financeira e de infraestrutura.

Em resumo, os EUA continuam a exercer o domínio militar na Ásia através de suas bases na Coreia do Sul, Japão e Austrália. No entanto, está a perder influência económica e presença no resto da Ásia. Se a História tem antecedentes, impérios sem fundamentos económicos, mais cedo ou mais tarde desmoronam, especialmente quando potências regionais emergentes são capazes de substituí-los.

A União Europeia e o império de Trump: parceiro, cliente ou rival? 

A União Europeia (UE) é o maior mercado do mundo mas ainda permanece na dependência política e militar de Washington. A UE sofreu com a falta de uma política externa independente – sua dependência da NATO, subsidiária dos EUA, é uma das principais razões.

O presidente Trump aproveitou a fraqueza da UE para desafiar as suas políticas em várias questões estratégicas, desde o Acordo de Paris sobre mudança climática até o acordo nuclear com o Irão, até o reconhecimento de Trump de Jerusalém como capital de Israel. As tarifas de Trump sobre as exportações da UE são o mais recente e mais provocador esforço para desafiar e dominar a região.

Além disso, a UE está cada vez mais dividida em relação à imigração, à saída do Reino Unido da UE (Brexit), bem como nos aspectos políticos e económicos entre a Alemanha, a Itália e a Polónia.

Com efeito, o regime de Trump não pode mais contar com uma poderosa aliança unificada à sua ordem, no objectivo de realizar um império global.

Pelo contrário, sob Trump, os EUA procuram assegurar a sua supremacia económica e o supremo domínio político-militar, exigindo que os países da UE dupliquem os seus orçamentos militares a fim de aumentar os gastos em compras de armas do Pentágono.

Como resultado das divisões e hostilidades entre os EUA e a UE, as políticas imperiais do presidente Trump adoptaram uma estratégia contraditória de aumento do proteccionismo económico e aberturas para a Rússia “inimiga”. Ao adoptar o slogan nacionalista, “Tornar a América forte” e “Tornar a UE frágil”, parece que Trump persegue slogans nacionalistas para promover objectivos imperiais.

Crescimento interno e declínio imperial 

Até ao momento, em meados de 2018, Trump está numa onda de crescimento interno da economia, do comércio e do emprego.

Os críticos afirmam que esta é uma conjuntura de curta duração que enfrenta poderosos opositores. Eles argumentam que a guerra comercial e o declínio dos mercados estrangeiros da China, da UE, do México, do Canadá e de outros países provocarão um declínio nos EUA.

A aposta estratégica de Trump é que a guerra comercial dos EUA conseguirá abrir o mercado da China enquanto reduz as exportações da China. Trump espera que as multinacionais dos EUA se desloquem para os EUA e aumentem os empregos e as exportações. Até agora isto não passa de uma fantasia.

Além disso, embora os lucros das empresas tenham disparado, tal não foi acompanhado por uma diminuição das desigualdades e aumentos salariais.

O resultado é que Trump enfrenta perspectivas reais de um declínio nas exportações e apoio eleitoral popular – especialmente daqueles afectados negativamente pelo declínio dos mercados e cortes profundos na saúde, educação e meio ambiente.

Consequências políticas da “América primeiro” no cenário empresarial 

É altamente improvável que as políticas económicas nacionalistas de Trump desenvolvam a construção do império; pelo contrário, a guerra comercial forçará os principais beneficiários de impostos, as empresas a voltarem-se contra Trump. As suas relações comerciais externas com a UE, Canadá, México e China farão com que eles se voltem contra Trump.

A construção imperial supera a “America First”. Sem um império económico, os EUA não terão meios para garantir os mercados necessários para estimular as exportações e a produção interna.

Conclusão 

O Presidente Trump beneficiou e, até certo ponto, conseguiu dominar temporariamente a América Latina, expandindo a economia interna e impondo exigências à China, à UE e aos outros países da América do Norte.

No entanto, as suas políticas enfraqueceram os aliados, antagonizaram os concorrentes e provocaram retaliações. Tudo isso aumenta o custo económico de administrar um império.

Trump não conseguiu providenciar substitutos viáveis dos mercados da UE e da China. Também não garantiu os mercados dos seus clientes na América Latina. A noção de que Trump poderia construir um “capitalismo nacional num país” é uma quimera. No máximo, exigiria a exploração intensiva da mão-de-obra dos EUA e altas taxas de investimento, sacrificando lucros e salários. A oligarquia eleitoral e os media irão forçá-lo a retirar-se das guerras comerciais e a rendr-se à setelites globalizantes.

O original encontra-se em www.informationclearinghouse.info/49845.htm

e em petras.lahaine.org/about-james-petras/

Este artigo encontra-se em http://resistir.info

Comments

comments

ESPORTE

COLUNISTAS

VIDEOS