Brasília,
Home » Destaque » O mundo olha para o Oriente

O mundo olha para o Oriente

Publicado por: Redação Irã News
Autor:
Publicada em 15/01/2018 às 14:29
Share Button
Foto:
Fonte: Granma

[Iramsy Peraza Forte] Mais e mais frequentemente, o mundo olha para o Oriente e não é por acaso. O desenvolvimento esmagador alcançado pelos países do continente asiático, nos últimos anos, resultou em uma maior influência global, uma previsão que indica que o «almejado» equilíbrio na cena política internacional poderia chegar muito cedo.

MAIS e mais frequentemente, o mundo olha para o Oriente e não é por acaso. O desenvolvimento esmagador alcançado pelos países do continente asiático, nos últimos anos, resultou em uma maior influência global, uma previsão que indica que o «almejado» equilíbrio na cena política internacional poderia chegar muito cedo.

Se alguma coisa foi reafirmada em 2017 é a capacidade das nações da Ásia de disputar a supremacia que gozaram as potências tradicionais nos últimos séculos.

O desenvolvimento rápido e a boa saúde de economias como a da China, Índia, Japão, Vietnã, Malásia, Coreia do Sul, Cingapura e Indonésia, entre outros, ratificam o Extremo Oriente como um dos principais motores do crescimento econômico internacional.

Um ponto comum da maioria desses Estados é a busca de maneiras de minimizar a investida de crises financeiras em andamento.

A isso, os especialistas adicionam uma série de medidas para gerenciar os investimentos de capital estrangeiro e impulsionar seu desenvolvimento industrial, que, embora envolvendo altos custos sociais que ainda são pagos hoje, colocaram a região no ponto de discussão de para onde se vai inclinar a balança do equilíbrio global, no futuro próximo.

PONTOS-CHAVES

Na ordem individual, houve muitos eventos que marcaram o dia a dia desse continente que primeiro recebe o Sol.

A escalada das tensões na península coreana foi o tema do debate em curso, diante do possível desencadeamento de uma guerra nuclear.

O cenário do território compartilhado pela República Popular Democrática da Coreia (RPDC) e a Coreia do Sul voltou a se aquecer, com as ameaças de ataque dos EUA a Pyongyang e a mobilização de um arsenal militar estratégico para a região, enquanto a RPDC revidou com sucessivos testes nucleares «com caráter autodefensivo».

Depois da chegada à Casa Branca do presidente Donald Trump, a situação piorou e as sanções contra a Coreia Democrática não pararam. O presidente insiste em manter a pressão contra a RPDC, primeiramente ao incluir esse território novamente na lista de países patrocinadores do terrorismo que o Departamento de Estado elabora e depois com a imposição de novas medidas punitivas.

Pyongyang, por sua vez, reiterou a natureza autodefensiva de seu programa nuclear que procura defender sua soberania e integridade territorial.

A comunidade internacional convidou os dois lados a resolver seus conflitos de forma pacífica e através do diálogo, a fim de evitar uma situação catastrófica para toda a humanidade.

Muito perto dali, em Pequim, o cenário foi muito diferente e os líderes de cerca de vinte países se encontraram, na primeira edição do Fórum da Faixa e do Caminho para a Cooperação Internacional, com o objetivo de compartilhar suas oportunidades de desenvolvimento e aspirar ao crescimento conjunto.

Este conclave foi aquele com o perfil mais elevado depois que a iniciativa fosse lançada pela China, para construir um novo cinturão econômico que ligue Ásia, África e a Europa.

Sob o espírito de «paz, cooperação, abertura, inclusão, aprendizagem e benefício mútuo», que caracterizou as antigas estradas comerciais, onde a seda e outros bens viajavam de leste a oeste, os mais de cem países e instituições que participam desse projeto se comprometeram a consolidar essa rota de interconexão econômica, que deverá incluir mais de 60% da população mundial e um terço da produção global.

Se bem promover investimentos na infraestrutura, para facilitar as conexões, é a visão privilegiada deste cinturão, hoje as nações em torno da Faixa e da Rota da Seda estão optando por maiores desafios e buscam implementar um novo tipo de cooperação liderada pelas altas tecnologias e a produção de alto valor agregado.

Pequim, a capital chinesa, também foi neste ano palco de um dos eventos mais importantes da segunda potência mundial, o 21º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (PCCH).

O evento mais importante da vida política do gigante asiático, em cada cinco anos, representou o início de uma nova etapa na qual procurarão concretizar o objetivo de construir uma sociedade moderna e modestamente acomodada e uma forte potência socialista.

Na reunião, foram feitas alterações aos estatutos do PCCH, para adaptá-los aos tempos atuais, e foi incluído o pensamento de Xi Jinping, secretário-geral da organização e presidente do país, acerca do socialismo com características chinesas da nova era, como guia de ação em conjunto com o marxismo-leninismo.

A nova visão, apoiada por mais de 2.300 delegados, tem como objetivo orientar o povo chinês em direção aos seus objetivos de desenvolvimento político, econômico e social, ao mesmo tempo que continua o caminho do marxismo, do comunismo e dos valores socialistas essenciais.

Mas nem tudo foi sucesso para esta parte do mundo. A sucessão de eventos climáticos fortes escureceu a paisagem da região, que tão só por causa das enchentes sofreu a perda da vida de cerca de 1.300 pessoas e quase 41 milhões ficaram sem casas.

Nações como o Vietnã, Filipinas e Japão tiveram de enfrentar as consequências de fortes tufões e tempestades tropicais.

O Vietnã, por exemplo, foi afetado por 16 tufões neste ano, lamentando a morte de 375 pessoas, 636 feridas e perdas materiais de US$ 2,3 bilhões.

Comments

comments

ESPORTE

COLUNISTAS

VIDEOS